Afinal, o que é empreender?

por Americanas Marketplace

23 de novembro de 2020

Começar a empreender é um sonho pra muito gente! Mas como fazer isso da melhor forma? Saiba mais sobre o empreendedorismo!

“Empreendedor” e “empreendedorismo” são termos que estão na moda e para onde quer que olhamos, tem alguém falando sobre as vantagens de empreender. Mas a pergunta que não quer calar é: 

De fato, o que é empreender?

A primeira vez que se tem registro do seu uso, foi em 1942, pelo economista Joseph A. Schumpeter, em seu livro “Capitalismo, socialismo e democracia”. Na ocasião, ele ligou o termo “empreender” à inovação, colocando a figura do empreendedor como alguém responsável por criar mercados, combinar soluções e serviços existentes, para oferecer algo inovador ao público. 

Anos mais tarde, a professora Maria Inês Felippe, em seu suplemento “Empreendedorismo: buscando o sucesso empresarial”, defendeu a ideia de que o empreendedor costuma ser motivado pela autorrealização e pelo desejo de assumir responsabilidades e ser independente. 

O fato é que hoje, o uso do termo empreender está mais ligado ao ambiente empresarial, definindo o ato de abrir e dirigir uma empresa, com todas as implicações que esse papel tem. No Brasil, estima-se que 53,4 milhões de pessoas (38,7% da população adulta) estão à frente de alguma atividade empreendedora, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Sebrae.

Os mitos do empreendedorismo

Assim como muitas outras atividades, o ato de empreender é cercado de mitos. O primeiro deles é que as pessoas que optam por seguir esse caminho, automaticamente, ganham muito mais dinheiro do que em suas antigas carreiras. 

Isso acontece em diversos casos e é realmente o objetivo de quem abre o próprio negócio. Mas é preciso ter em mente que chegar a esse patamar nem sempre é fácil – e que às vezes, pode não acontecer. 

A figura do empreendedor rico é uma versão romantizada, que leva muitas pessoas a acreditarem em um segundo mito que permeia o assunto: empreender significa menos trabalho.

Na verdade, é exatamente o oposto. Quando você abre um negócio, normalmente não começa com o quadro de funcionários que gostaria – afinal, toda cautela financeira, nesse momento, é necessária. Por isso, é comum que os empreendedores trabalhem mais e desempenhem mais de uma função. O famoso “serve o cafezinho, vai ao banco, desenha as estratégias da empresa…”. O que se costuma escutar de diversos empreendedores é que no próprio negócio, você trabalha mais. Mas com mais prazer e ânimo também. 

Por que empreender?

Porque o empreendedorismo é essencial para a sociedade. É através dele que surgem as inovações e soluções que melhoram a vida das pessoas. É através da veia empreendedora que as empresas, e consequentemente a sociedade, transformam o que é teoria em prática.  

Porque o empreendedorismo é impacto social. Em diferentes níveis (dependendo do tamanho do empreendimento), eles impactam diretamente o meio em que vivem. 

Veja a importância do empreendedorismo para a sociedade:

  • Geração de empregos: o empreendedorismo cria novas carreiras, movimenta o mercado, gera riqueza, cria novos mercados e nichos, movimenta a economia e a concorrência.
  • Inovação: através da criatividade do empreendedor surgem novas ideias e soluções tecnológicas que contribuem para o desenvolvimento da sociedade e facilitam o dia a dia das pessoas. Os produtos e serviços possibilitam mais opções de escolha para o consumidor, tornando o mercado mais competitivo.
  • Impacto social e desenvolvimento comunitário: ao abrir um negócio próprio, além da realização pessoal de um sonho, o empreendedor está contribuindo para o desenvolvimento da região. Parte do dinheiro que gira em torno do comércio local volta como impostos que podem ser aplicados na infraestrutura da região, como investimento em educação, saneamento básico, saúde etc. Ou seja, o empreendedorismo promove mudanças significativas e positivas na sociedade.
  • Elevação do padrão de vida: o padrão de vida de uma pessoa é definido pelo acesso aos bens e serviços que ele tem, com base no seu poder de compra e renda. Ao gerar emprego e desenvolvimento econômico, o empreendedorismo contribui para elevar o padrão de vida e para o aumento do poder aquisitivo.
  • Auxílio ao desenvolvimento de pesquisas e ações sociais: a criação de novos produtos e serviços contribui para o desenvolvimento das instituições de pesquisa, já que esses produtos precisam ser estudados e testados antes de serem lançados no mercado.

Como definir o porte de uma empresa

Antes de abrir um negócio próprio, é fundamental entender os diferentes perfis de empreendimento e saber definir o porte da sua empresa. Basicamente o porte categoriza o tamanho do seu negócio com base no seu potencial econômico (micro, pequeno ou grande negócio).

Além de medir o tamanho, a depender do porte da empresa, é possível usufruir de incentivos fiscais e outros benefícios previstos em lei.

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas classifica o porte empresarial de acordo com o faturamento anual da matriz e filiais, quando houver, dessa forma:

  • Microempreendedor individual (MEI): faturamento anual de até R$ 81 mil;
  • Microempresa (ME): faturamento anual de até R$ 360 mil;
  • Empresa de pequeno porte (EPP): faturamento anual de até R$ 4,8 milhões, podendo ter até 100 funcionários;
  • Empresa sem enquadramento: são as que não se enquadram em nenhum dos outros portes ou têm como sócio uma pessoa jurídica. Essas empresas devem assinar o contrato social e podem ter mais de 100 funcionários. 

Outros órgãos governamentais como IBGE, BNDES e ANVISA adotam seu próprio critério de classificação de porte, mas sempre levando em conta o faturamento anual e a quantidade de funcionários.

Tipos de empreendedorismo 

Se você tem em mente abrir um negócio, é importante conhecer os principais tipos de empreendedorismo:

Individual

Como o próprio nome sugere, trata-se de um modelo de negócio onde a empresa é tocada por um único dono. Fazem parte desta categoria os MEI (Microempreendedor individual), EI (empreendedor individual) e EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada).

Informal

Essa categoria não possui formalização governamental, não tem custos com impostos e, consequentemente, não possui garantias trabalhistas.

No Brasil, a taxa de trabalhadores informais hoje chega a 40% e fazem parte desse grupo os ambulantes, barracas de rua, motoristas de aplicativo etc.

Feminino

São os negócios idealizados ou comandados por mulheres. Esse modelo vem crescendo no Brasil e contribui para o empoderamento da mulher e protagonismo nos lugares de destaque antes não acessíveis. Segundo dados do Sebrae, existem mais de 9 milhões de mulheres empreendedoras no Brasil.

O empreender feminino vai além de abrir um negócio. Ele representa a quebra de paradigmas sobre sua capacidade de liderar e a redução da desigualdade social. Em muitos casos representa também a conquista da independência financeira como meio de quebrar ciclos de abuso e violência.

Social

O empreendedorismo social visa, antes de tudo, o desenvolvimento e promoção de ações que geram impacto positivo na sociedade. Neste modelo de negócio, o lucro vem em segundo plano.

Esse tipo de empreendimento está muito ligado a causas importantes para a comunidade como educação, saúde, meio ambiente etc. Como exemplos de empreendedorismo social, podemos citar as organizações não governamentais (ONGs) e instituições beneficentes, que na maioria das vezes são mantidas por doações.

Digital

Essa é uma tendência que vem crescendo não só no Brasil, como no mundo, por ser um modelo versátil, com baixo investimento inicial e de grande alcance de público. Na internet é possível oferecer os mais diversos produtos e serviços como, provedores de conteúdo, cursos e treinamentos online e muito mais. Veja só esta evolução do e-commerce no mercado varejista nos últimos anos:

evolução do e-commerce - interna

 

Como saber se você é um empreendedor

Identificar se você tem, ou não, a famosa “veia empreendedora” poderia ser algo simples, como se olhar no espelho e encontrar a resposta. Mas vai muito além disso. É preciso vivência e autoconhecimento para que você consiga reconhecer em si mesmo características pontuais, comuns nos grandes empreendedores – que já tiveram, inclusive, sua personalidade e modelo de trabalho estudados para traçarem o perfil do que é ser um empreendedor. 

E dentre as características mais frequentes em quem decide (e persiste!) em empreender estão:

Criatividade

O criativo tem a capacidade de transformar ideias em negócios de sucesso, ele sempre pensa fora da caixa para alcançar o resultado esperado.

Determinação

Para abrir um negócio é preciso estabelecer metas, manter o foco e trabalhar com garra.

Perseverança

Capacidade de resistir às dificuldades e superá-las. O empreendedor com essa qualidade não desiste diante dos obstáculos porque sabe que empreender requer perseverança para chegar ao fim desejado.

Liderança

Essa característica é fundamental para quem sonha em empreender. Caso não seja um líder nato, deve buscar desenvolver habilidades de liderança ou se cercar de pessoas que tenham esse perfil. 

Autoconfiança

Confiar em si e no seu projeto é essencial para que a ideia seja levada adiante. Você precisa “comprar” a ideia acima de tudo, para defendê-la com segurança. Mas, a autoconfiança deve estar pautada em metas e projetos concretos, possíveis de se alcançar. 

Flexibilidade

O empreendedor deve estar aberto a novas ideias e se mostrar positivo diante das mudanças. Afinal, o mercado é competitivo e para se destacar da concorrência é preciso ser receptivo a novos produtos e serviços.

Visão

O visionário conhece bem o seu público e está sempre atento às oportunidades de mercado, a fim de trazer bons resultados para o seu negócio. Ele consegue enxergar possibilidades onde ninguém mais vê e transforma ideias em projetos de sucesso. 

Resiliência a riscos

O empreendedorismo está diretamente ligado à capacidade de assumir riscos e considerar que o negócio nem sempre vai dar certo. É preciso sair da zona de conforto para abraçar o desafio de começar um negócio do nada, mesmo quando há incerteza quanto aos resultados. 

Conhecimento do produto e mercado

Quem deseja empreender deve ter em mente que é indispensável estudar o mercado e o produto ou serviço que quer lançar ou vender. Estar antenado às novas tendências faz toda diferença para a tomada de decisão do tipo de negócio que é mais vantajoso abrir.

virtudes do empreendedor

Cenário atual do empreendedorismo no Brasil

O empreendedorismo no Brasil vem crescendo significativamente na última década e, principalmente, nos últimos anos.

Com as grandes demissões em 2020, provocadas pela pandemia da Covid-19, muitas pessoas se viram obrigadas a buscar um meio alternativo de fonte de renda para continuar garantindo o seu sustento.

E foi aí que o empreendedorismo ganhou mais força e registrou números impressionantes, principalmente com os negócios online que surgiram por conta das medidas de restrição para conter a pandemia.

Em 2021, o Brasil atingiu uma marca histórica de abertura de novos negócios. Segundo levantamento do Sebrae, com base nos dados da Receita Federal, mais de 3,9 milhões de empreendedores formalizaram seu negócio, o que representa um aumento de 19,8% em relação a 2020 e de 53,9% se comparado a 2018.

Nesse cenário de crescimento, o MEI (Microempreendedor Individual) teve um aumento recorde no número de abertura de novos CNPJs, totalizando 80% das empresas criadas em 2021. Isso mostra a força que as empresas de pequeno porte estão ganhando e o papel delas no crescimento econômico. 

A desburocratização na abertura de empresas MEI e a baixa carga tributária podem ser apontadas como fatores decisivos na escolha por esse tipo de empreendimento para quem quer começar um negócio próprio.

Quando se pensa no futuro do empreendedorismo, a possibilidade de continuar mantendo o crescimento é muito promissora.

Uma pesquisa feita pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM), com o apoio do Sebrae, mostrou que 50 milhões de brasileiros que ainda não empreendem desejam abrir um negócio nos próximos 3 anos. Dentre as principais motivações estão a pandemia e o sonho do brasileiro de empreender. 

Oportunidades do online para quem quer empreender

As vendas online têm crescido significativamente no Brasil nos últimos anos e, como vimos no tópico anterior, a pandemia tem contribuído bastante para esse crescimento do e-commerce.

Para se ter uma ideia, o termo “ganhar dinheiro na internet” é buscado mais de 33 mil vezes por mês no Google. Isso mostra que as pessoas estão buscando cada vez mais as oportunidades e recursos que a internet oferece para empreender.

Dentre as vantagens de começar um negócio online podemos destacar a possibilidade de baixo investimento inicial e a oportunidade de levar seu comércio para muitas pessoas numa escala nacional ou até mundial, já que o espaço utilizado para divulgar os produtos é o digital e não o físico.

Se você sonha em empreender e deseja começar pelo e-commerce, confira algumas das categorias mais vendidas ultimamente:

  • Moda (roupas e calçados)
  • Eletrônicos (telefonia, celulares, computadores etc)
  • Cosméticos (artigos de perfumaria e beleza)
  • Produtos de Pet
  • Casa e Decoração

Para vender na internet, você pode criar seu próprio e-commerce ou aproveitar a visibilidade dos marketplaces, como a Americanas Marketplace, para divulgar seus produtos e serviços. Neste caso, não há investimento inicial: basta se cadastrar como parceiro e começar as vendas. Você só paga uma comissão sobre o que vender!

A integração com um marketplace oferece benefícios como: baixo investimento, otimização dos processos operacionais, maior alcance de clientes, credibilidade da marca, potencialização das vendas, melhor experiência para o cliente e muitas outras vantagens.

Caminhos para começar a empreender

Hoje, empreender não é sinônimo de uma atividade complicada e burocrática. Você pode, inclusive, fazer isso da sua própria casa, sem precisar de alto investimento ou uma grande equipe. A partir do momento em que você decide oferecer um serviço ou produto, imprimindo nele o seu diferencial e a sua visão de mercado, você já está empreendendo.

Você pode escolher alguns caminhos que te levem ao empreendedorismo. O que você gostaria de fazer? No que você se destaca e que poderia interessar outras pessoas? Quais oportunidades você enxerga no mercado? Quais os “buracos” e como você poderia preenchê-los?

Há quem decida oferecer serviços, que costumam ter alta adesão, como dar aulas em variados segmentos: corte e costura, idiomas, instrumentos musicais, limpeza de carpetes e estofados, consultorias, cabeleireiro etc.

Há quem deseje abrir sua própria loja e, buscando começar sem necessariamente fazer grandes investimentos financeiros e alcançando um maior número de potenciais clientes, opta por ingressar em um marketplace, como a Americanas Marketplace. Assim, é possível ver a aderência que o seu negócio tem no mercado, contar com o suporte e a segurança de uma boa plataforma.  

Outras pessoas optam por produzirem os próprios produtos que vão vender. Assim, fabricam peças artesanais ou começam uma produção em menor escala de produtos de limpeza, de higiene pessoal, bijuterias, roupas ou acessórios. Também é possível mesclar uma gama de serviços e/ou produtos, criando uma oferta inovadora para o mercado. 

4 passos para começar a empreender

Empreender é o segundo maior sonho do brasileiro, mas muita gente não sabe por onde começar e acaba adiando o projeto. Se você também não sabe como tirar a ideia do papel e transformar em realidade, confira essa as dicas:

Passo 1 – Defina o modelo de negócio

O ponto de partida para começar um empreendimento é definir o modelo de negócio. Essa decisão é fundamental para as etapas que virão, onde serão traçadas estratégias para se chegar ao resultado final, que é a concretização do projeto.

Neste momento é preciso estabelecer o tipo de produto ou serviço que pretende trabalhar e definir o seu público. Aqui também você precisa escolher o canal onde deseja atuar (loja física, e-commerce, aplicativo etc).

Para aumentar as chances de começar um negócio bem-sucedido, a decisão deve ser baseada na identificação de uma oportunidade de mercado. Ou seja, apostar em produtos e serviços que ainda não existem ou que não atendem às necessidades dos usuários.

Passo 2 – Faça pesquisa de mercado

Aqui você já tem definido o tipo de negócio e o público que deseja atingir, mas ainda não conhece seu cliente. E já que não dá para obter sucesso em um negócio se baseando apenas em achismos, é necessário investir em pesquisa de mercado.

Esse é o momento de conhecer o comportamento do cliente para desenvolver um produto ou serviço voltado para as suas necessidades, visando a experiência do usuário e a fidelização desse público.

Passo 3 – Elabore um plano de negócio

Traçar um plano de negócio é uma etapa indispensável no processo de empreender e é o ponto de partida para te ajudar a decidir se vale a pena ou não investir no empreendimento pensado lá no início. Através dele é possível prever e evitar ou minimizar riscos futuros.

Para elaborar um plano de negócio, é preciso estar munido de informações sobre o segmento em que deseja atuar, estudar o mercado, produto, público, preço, fornecedores e concorrentes.

A pesquisa é a fonte principal de qualquer plano de negócio. Por isso, quanto mais detalhado e baseado em informações o plano for, melhor será seu resultado.

Passo 4 – Formalize seu negócio

Depois de ter o negócio idealizado e traçadas todas as estratégias de execução, chegou a hora de tirar a ideia do papel de fato e partir para a mão na massa. E uma dica muito importante para começar o empreendimento é: formalize seu negócio.

Criar um CNPJ está muito mais fácil e prático graças à desburocratização do processo e aos custos baixos com a abertura de um negócio. Além disso, a formalização oferece vantagens como dar mais credibilidade à empresa e incentivos fiscais para pequenos negócios.

Você pode criar seu CNPJ de forma muito prática acessando o Portal do Empreendedor para se cadastrar como MEI (Microempreendedor individual), e para outras classificações também é possível solicitar a abertura da empresa pela internet ou presencialmente.

E agora?

Agora você já sabe o que é empreender, a importância e o impacto social que isso tem e sabe reconhecer se você seria um bom empreendedor. E aí, está pronto para fazer essa virada na sua vida e buscar aquilo que tanto desejou?

Conheça a Americanas Marketplace e veja como é mais fácil empreender do que você jamais pensou! Aqui, você tem todo suporte para começar o seu negócio, uma plataforma segura e treinamento, para que você saiba operar melhor e vender cada vez mais. Cadastre-se agora!

Leia também:

Ganhar dinheiro em casa: é possível?

Formalização MEI: 9 vantagens de profissionalizar seu negócio

Como escolher um nicho de produtos para vender na internet?

Americanas Marketplace

Somos a plataforma para você vender seus produtos nas principais lojas virtuais do país: Americanas, Submarino, Shoptime e Americanas Empresas. Aqui seu negócio vai mais longe!

veja ainda:

grocery - destaque

O que é grocery e como vender na categoria?

A categoria de grocery concentra as vendas de alimentos e bebidas pela internet. Mas a venda destes itens requer atenção […]

coisas para revender - destaque

9 coisas para revender e ganhar dinheiro

Conheça algumas opções de coisas para revender e ter um negócio ainda mais lucrativo  Que existe uma série de coisas […]

vender produtos de limpeza - destaque

7 dicas para você vender produtos de limpeza

Tudo que você precisa saber para vender produtos de limpeza na internet  Comprar online já faz parte da rotina de […]